Proposta salarial é rejeitada e greve dos bancários prossegue após 24 dias de paralisação

13.254 agências e 28 centros administrativos ainda seguem com as atividades paralisadas.

Caio Machado
29/09/2016 - 11h05

Proposta salarial é rejeitada e greve dos bancários prossegue após 24 dias de paralisação

A greve dos bancários chegou ao 24º dia nesta quarta-feira (29/09) e 13.254 agências e 28 centros administrativos ainda seguem com as atividades paralisadas. O número representa 57% das agências bancárias do país.

Na tarde ontem (28/08), a reunião entre a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) terminou sem acordo entre as partes.

A Fenaban apresentou a oferta de um reajuste de 7% nos salários e o abono de R$ 3,5 mil para 2016, com reajusta de inflação, e 0,5% para 2017. O reajuste reivindicado pelos bancários segue pedindo 9,62% mais 5% de aumento real.

Os bancários seguirão em greve por tempo indeterminado. A demanda é pelo piso de R$3.940,24; vale alimentação, vale refeição, 13ª cesta e auxilio creche/babá, no valor de R$880,00 reais cada; melhores condições de trabalho; planos de carreita; etc.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) ressalta que os clientes ainda podem utilizar os caixas eletrônicos para efetuar agendamento e pagamento de contas, saques e depósitos, emissão de folhas de cheques, transferências e saques de benefícios sociais.