33ª Edição do Festival de Pratos Típicos do Milho reúne mais de 500 pratos no Salão DB

Além dos pratos inovadores que aparecem a cada ano, a novidade foi o local onde o evento foi realizado.

Igor Nunes
05/06/2014 - 23h59

33ª Edição do Festival de Pratos Típicos do Milho reúne mais de 500 pratos no Salão DB

A 33ª edição do Festival de Pratos Típicos do Milho aconteceu na noite desta quarta-feira (04) no Salão DB, situado na Avenida JK, no Bairro Ipanema. O tradicional evento de Patos de Minas contou com mais de 500 pratos doces e salgados. O evento é organizado pela EMATER-MG - Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais e pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Patos de Minas.
A novidade deste ano foi o local onde o festival foi realizado. Tradicionalmente, o Festival de Pratos Típicos do Milho acontecia no Paiolão do Parque de Exposições de Patos de Minas, mas os organizadores quiseram inovar em 2014. O Salão DB recebeu uma decoração especial e acolheu bem o evento. O público presente se mostrou satisfeito com a opção dos organizadores.
Nas mesas, mais de 500 pratos mantinham a tradição de novas receitas a cada ano. Pamonha Romeu e Julieta, Ensopadinho de Milho, Torta de Milho com Morango, Crisps de Milho, Bala de Milho e diversos outros pratos doces e salgados eram admirados pelo público.
Os três pratos que se mais destacaram foram premiados. O Ensopadinho de Milho ficou em primeiro lugar, feito por Hilda Pereira, vencedora da competição pelo quarto ano consecutivo. O segundo lugar ficou com Lindaura Piau com o prato Crisps de Milho. O terceiro lugar ficou com Síntia Gonzaga com o prato Torta de Milho Verde com Morango.
O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Patos de Minas, Claudio Nasser, ressaltou a importância de manter a tradição da culinária a base de milho, principalmente na agricultura familiar. “Nada como um espaço como este para ser demonstrado”, ressaltou.
O gerente regional da EMATER-MG, Sérgio Martins, lembrou  que o festival já acontece há 33 anos e reúne pratos feitos por mães e agora pelas filhas, a maioria confeccionados de forma artesanal. Sérgio também lembrou que a agricultura familiar cresce a cada ano que passa e que é importante valorizar.
Sérgio explicou também pela escolha do local do evento. Ele disse que o Paiolão é muito bonito, muito aconchegante, mas as escadas interferiam as mulheres e a confraternização. Os organizadores preferiram fazer o evento em um ambiente mais amplo, com piso único e de melhor acesso. 

Fotos: Bruno Pires